• Redação Obra Prima

Entrevista com Fernando e Humberto Campana: liberdade criativa para o design consciente

A grande exposição individual do Rio agora pode ser vista na íntegra em formato virtual, incluindo as fragilidades, o futuro, o senso de responsabilidade. Texto de Porzia Bergamasco


Humberto e Fernando Campana - Foto de Bob Wolfenson.


Os irmãos Campana estão no cenário do design há trinta e cinco anos, incutindo e disseminando a necessidade de uma mudança de rumo nas práticas cotidianas de design. É um projeto poético e político que ainda causa espanto e suscita reflexão. Eles continuam a melhorar a vida de comunidades inteiras nas favelas de São Paulo, ensinando mulheres e crianças sobre os processos de design no Instituto Campana em São Paulo, que eles fundaram em 2009. Embora a pandemia nos tenha impedido de ver seu maior show solo até agora, por meses a fio, não conseguiu deter a criatividade e iniciativas da dupla. Uma delas foi começar a dar nova vida à fazenda da família - onde eles plantaram mais de 16.000 plantas nativas desde 2.000, para evitar a sua extinção - com os primeiros 3 dos 12 “pavilhões verdes” totalmente inovadores, nos quais os visitantes podem comungar com a natureza, a arte, o design e a arquitetura. Uma espécie de escola ambiental para educar as pessoas, uma escola de tradições manuais. Eles falaram conosco sobre isso e muito mais.

O banco Dois Irmãos da coleção Transwood marca os 35 anos da carreira dos Campanas e evoca valores que eles tanto prezam: união e parceria. Foto © Eduardo Delfim.


Vocês foram os pioneiros do design “disruptivo”, ou seja, uma abordagem proativa para projetar mudanças. Como você acha que podemos trabalhar globalmente para um planeta melhor? O trabalho do Estudio Campana sempre destacou a importância do design sustentável do ponto de vista natural e humano. Desde o início, elogiamos e aplicamos as técnicas tradicionais de artesanato, o que significa automaticamente dar trabalho a autônomos e pequenos negócios no Brasil e no exterior. O reaproveitamento de materiais sempre foi uma de nossas marcas registradas, mesmo antes de o reaproveitamento ou reciclagem se tornarem um assunto quente. Hoje, continuamos a evoluir, certificando-nos de que as nossas fontes são certificadas e fazendo o nosso melhor para minimizar ou evitar o desperdício e a poluição, igualmente estamos de olho nos novos materiais sustentáveis ​​que estão a ser desenvolvidos. No final, todos esses mecanismos garantem que nossos negócios se alimentem uns dos outros, criando um ciclo de produção saudável que mantém as pessoas e o meio ambiente em primeiro lugar a longo prazo.

O valor esteticamente sustentável está intimamente ligado ao valor sustentável. Você pode nos contar sobre esse conceito primordial que orienta suas práticas artísticas e de design? As pessoas estão muito mais conectadas com seus bens hoje em dia. Existe uma relação de afeto para com eles, uma necessidade de que cada objeto tenha um significado subjacente. A partir do momento em que oferecemos às pessoas uma peça que foi trabalhada a muitas mãos, feita com cuidado, competência e propósito, ela se torna mais atraente do que aquela que é apenas mais um objeto. Essa consciência do verdadeiro valor de uma peça sustentável reflete diretamente onde cada um de nós se posiciona como designers e consumidores. Somos todos responsáveis ​​pelo que compramos, então por que não possuir algo que envie uma mensagem positiva e apoie as melhores práticas?



Ícone do Estudio Campana, a Cadeira Paraíba de 2006 usa bonecos tradicionais feitos à mão por uma comunidade do Nordeste do Brasil. Foto © Luis Calazans.


Vocês também conseguem isso com a educação, por meio do Instituto Campana, de São Paulo. Quais atividades estão em andamento?

Todas as atividades das oficinas com crianças foram interrompidas devido à pandemia, mas continuamos nos conectando com ONGs, instituições e parceiros de negócios para que possamos expandir nossas atividades o mais rápido possível. Essencialmente, o Instituto Campana busca transformar a vida das pessoas desfavorecidas (crianças e adultos) por meio do design, dando-lhes novas perspectivas ao ensinar ou aprimorar suas habilidades existentes. Estou [diz Humberto] falando sobre indivíduos e comunidades que passam por dificuldades todos os dias e são incapazes de ver qualquer perspectiva em suas vidas (crianças de famílias desfeitas, ex-prisioneiros e viciados etc.). “Construir uma vida com as minhas mãos" sempre foi o meu lema, por isso tento mostrar-lhes como podem fazer o mesmo e ter orgulho do que podem alcançar com estas novas competências. Frequentemente compramos as peças produzidas nestas oficinas, venda-os através do instituto, lojas de museus e feiras e devolvo os lucros para eles. É muito gratificante ver a transformação, no momento em que eles percebem que podem viver de algo que eles próprios criaram em um ambiente comunitário. Vemos isso também nas marcas que procuram trabalhar conosco, pois aumenta a responsabilidade social que as corporações desejam assumir, justamente porque os consumidores esperam que elas tenham um papel ativo nesse campo. É ótimo para nós - quanto mais recursos temos de parceiros que genuinamente compartilham nossas opiniões, mais pessoas podemos alcançar. pois acrescenta à responsabilidade social que as corporações desejam assumir, justamente porque os consumidores esperam que elas desempenhem um papel ativo nesse campo. Além dos workshops, um novo projeto com o qual estamos muito entusiasmados é o desenvolvimento outdoor que Fernando e eu iniciamos em nossa fazenda familiar em Brotas, no estado de São Paulo. Plantamos 16.000 árvores desde os anos 2.000 em uma tentativa de restaurar as espécies nativas perdidas em centenas de anos de agricultura, e que agora queremos integrar com pavilhões de arte abertos ao público. Jardins de esculturas e espaços de contemplação que aproximam as pessoas da natureza e da arte.



Um tubo macio de poliuretano coberto, com 300 × 160 × 65 cm, tecido em forma de ninho. É uma peça histórica da Campana, incluída no catálogo da Edra - a empresa italiana com a qual produziram a maioria dos seus projetos, desde o início.


Resumidamente, qual é a mensagem principal que você deseja transmitir? Qual de seus produtos em particular é o “porta-voz” disso? Acho que a mensagem principal é a preservação. Preservação de habilidades vernáculas, preservação da natureza, preservação de nossa memória, nosso legado. O Brasil tem um problema crônico em que as pessoas esquecem sua história muito rapidamente. Nosso governo atual é uma triste prova disso. Estamos tentando fazer a nossa parte retribuindo à sociedade e à natureza, e a melhor forma de o conseguir é através da educação. Todas as nossas peças trazem um pouco dessa mensagem, mas se eu tivesse que escolher uma seria a nossa cadeira Paraíba, pois foi durante uma parceria com essa comunidade de artesãos do Nordeste do Brasil que percebemos o impacto do nosso design sobre as pessoas. Essa foi a primeira semente que deu origem à fundação do Instituto Campana.


A maioria de seus projetos é produzida em edições limitadas para marcas e galerias de design de luxo. Eles estão ao alcance de todos. Isso não é uma contradição? De jeito nenhum. As edições limitadas são um dos nossos nichos de mercado, mas existem muitos outros que são bastante acessíveis. Independentemente de marcas ou preços, o que realmente importa é que empregamos 20 pessoas, e muitas outras indiretamente. Mesmo durante a pandemia, conseguimos manter todos a bordo. Além disso, uma parte dos lucros volta para o instituto, então, de uma forma ou de outra, todo projeto está alimentando o bem-estar das pessoas em geral.


Datado de 2007, é chamado de Trans Chair e é feito de vime e vários objetos de borracha e plástico encontrados. Simboliza a vitória da natureza sobre o domínio do plástico e de tudo o que é artificial. Foto © Andrew Garn.


Fala-se muito sobre fragilidade atualmente. O que é fragilidade, na sua opinião? E como isso se expressa no processo de design? Pelo que entendi, fragilidade é quando você não consegue enfrentar ou se sente impotente diante dos desafios inesperados da vida. Essa pandemia mundial de Covid-19 certamente trouxe toda a humanidade ao mesmo nível de vulnerabilidade, expondo esse estado na maioria de nós, enquanto outros encontraram uma oportunidade de mudar rapidamente o status quo. Abordamos isso por meio de nosso trabalho de design, traduzindo esses medos e escuridão em objetos, dando-lhes uma alma e ressignificando-os. Uma cadeira é muito mais do que sua função ou forma, ela carrega uma mensagem. Você pode ver isso em nossa coleção “Hibridismo”, uma narrativa distópica da fragilidade da humanidade quando confrontada com o poder implacável da natureza. Ou, mais recentemente, “Cativeiro” (cativeiro), em exibição na exposição Pompidou-Metz “Face to Face Arcimboldo”, onde abordamos a política da humanidade aprisionando-se através do monitoramento tecnológico onipresente. O design narrativo é certamente uma ótima ferramenta para trazer consciência para os assuntos atuais, e a consciência é o primeiro passo para nos capacitar e lidar com o inesperado.


O título da exposição no Museu de Arte Moderna do MAM RIO do Rio de Janeiro, com curadoria de Francesca Alfano Miglietti (março de 2020 - janeiro de 2021), e do livro recém-publicado é Irmãos Campana: 35 Revoluções, em comemoração aos 35 anos. Você passou um ano trabalhando nesta grande exposição. Como isso aconteceu? A exposição foi motivada por um convite do MAM Rio, que nos deu a oportunidade de realizar nosso sonho de longa data e de mostrar nosso trabalho neste espaço icônico dedicado à arte, design e arquitetura. Quando começamos a trabalhar nele, parecia um pouco com o filme Fitzcarraldo de Werner Herzog, no qual o personagem principal está determinado a arrastar um barco a vapor por uma colina íngreme. Todo o processo foi muito desafiador e exigiu muito esforço da equipe, mas certamente aprendemos muito com ele. Trabalhamos com uma ONG local no Rio para desenvolver um projeto de cenário sustentável que pudesse ser reaproveitado após a exposição. Envolvemos a comunidade na construção das instalações. Entramos em contato com amigos que colaboraram no livro que foi publicado recentemente. Foi uma celebração em que reunimos todos e tudo que consideramos fiéis à nossa visão, que nos levou por esse caminho e a essa etapa de nossa carreira. O Instituto Campana também desempenhou um papel vital na ligação com os colecionadores, tratando das peças de nossos arquivos e sustentando o lado educacional da exposição.


Uma das colagens criadas por Humberto Campana durante o primeiro Lockdown e incluída na exposição digital At HOME 20.20 no canal MAXXI Rome Instagram. Foto © Studio Campana.


A exposição foi dividida em seções temáticas, Amor, Pensamento, Sonhos, Tempo, Metamorfose e Segredos. O livro também foi dividido em capítulos que refletem esses temas. você pode nos falar mais sobre isso? A forma como as salas temáticas foram dispostas foi decidida pela curadora da exposição. Francesca Alfano Miglietti, que traçou um paralelo entre nosso trabalho e os valores e condições universais da humanidade. Ela desenvolveu uma forma muito interessante de selecionar e agrupar obras de arte que se identificassem com cada um desses temas por meio das histórias não ditas, carregadas por cada peça, de forma que todos se identificassem. Em termos de espaço, foi uma solução maravilhosa, pois não era como se cada quarto estivesse fechado ou separado dos outros. Em vez disso, os visitantes podiam fazer a transição natural e sem problemas de um para o outro, caminhando por uma floresta de talos de piaçava [uma fibra vegetal parecida com a ráfia], Da mesma forma que o amor pode sobrepor nossos sonhos, pensamentos ou segredos. Também havia sinais de som vindos de dentro dessas hastes, onde poderíamos ouvir nossas vozes recitando alguns depoimentos poéticos escritos por Francesca. Foi tudo muito bonito e surreal, ao mesmo tempo que transmitia um poderoso alerta sobre a destruição do nosso meio ambiente.

O banco Noah, da coleção Hybridism, feito de bronze fundido e tiras de tecido. É um convite à reflexão sobre a conservação dos animais. Cortesia do Estudio Campana. Foto © Fernando Laszlo.


O Estudio Campana também participou de At HOME 20.20, a primeira exposição digital do Museu MAXXI em Roma, inteiramente concebida e desenvolvida para Instagram, dedicada aos propósitos de mudança do design de casa com foco na casa pós-COVID. Qual é a sua opinião sobre este assunto? Será um tema crucial para o design no futuro? Acredito que a pandemia destruiu todo um sistema capitalista em termos de emprego e local de trabalho, quando de repente fomos forçados a passar muito mais tempo em casa. Isso levou a um maior investimento em artigos domésticos que aumentaram o conforto e flexibilidade dos nossos espaços. Acredito que essa mudança no conceito de casa permanecerá mesmo depois que as coisas retornarem a algum nível de normalidade. O fato de não precisarmos mais pegar um avião ou passar horas no trânsito para chegar a reuniões importantes, quando podemos fazer videochamadas e ao mesmo tempo ajudar a reduzir nossa pegada de carbono, ainda será válido. É uma perspectiva positiva e acho que esta é definitivamente uma questão de design importante para o presente e para o futuro.


Você foi convidado a desenvolver uma série de projetos de arte inspirados em personagens populares da Disney. Todas essas criações foram recentemente apresentadas pela primeira vez na exposição Pop Infinity em Hong Kong. O que fez você escolher o Mickey Mouse? Mickey Mouse traz de volta memórias de infância para nós. Crescemos assistindo a seus desenhos animados e sempre amamos sua inteligência e capacidade de se desvencilhar de situações complicadas. Ele é um personagem divertido que se tornou um ícone pop atemporal, então escolhemos a versão “vintage” de Mickey por seu apelo a todas as gerações.



O ícone pop Mickey Mouse impresso em uma mesa de ping-pong, para Walt Disney, usando a técnica de mosaico antigo. Um contraste sofisticado. Cada tabela leva 300 horas para ser criada. Ele vem em uma edição limitada de 25 peças.


www.campanas.com.br


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo