• Redação Obra Prima

A sustentável leveza de uma casa


No nordeste do Brasil, no litoral de São Miguel do Gostoso, sustentado pelo o que há de mais leve, o vento e as nuvens, fica a Casa Módico, um dos projetos recentes e icásticos do Atelier Branco Arquitetura. Texto enviado pelos arquitetos. Fotos: Federico Cairol.




"Simplicidade com figura e fundo, eis a Casa Módico. 'A simplicidade é a principal condição da beleza moral', Lev Tolstoj, Diários, 19 de outubro de 1852. A influência do território e sua posição ligada ao vento desenvolveram no cliente e criador o desejo de imaginar uma resposta congruente às tradições habitacionais locais. Portanto, a construção respeita a memória em termos de tecnologia de construção, é ecologicamente sustentável e é proposta como ponto de referência para a antropologia cultural da paisagem.




Se a arquitetura é a disciplina que tem como objetivo a organização do espaço, a Casa Módico é desenhada na paisagem como uma relação figura-fundo, o que em termos musicais seria a distinção entre melodia e acompanhamento. Nesses termos, observando a construção a partir da paisagem, podemos dizer que a figura-melodia captura o observador enquanto o acompanhamento da paisagem-fundo parece ser uma função subsidiária.




Ao imaginar a seção longitudinal, percebe-se o desejo do Atelier Branco de criar ventilação natural cruzando todos os espaços da casa. De fato, as divisões internas entre as salas comuns e privadas são delimitadas por um jogo de tijolos que cria um filtro entre os espaços e facilita a ventilação, a partir de grandes aberturas laterais. A leveza de viver nesses espaços é pontuada pelo ritmo da dança do ar, que sopra de uma forma arquitetônica precisa, quase pontuada e modelada pelo movimento do vento.


A leveza sempre foi associada à arte da dança. No entanto, mesmo essa arte, embora nascida do espírito dionisíaco, está intimamente ligada simbolicamente ao seu oposto, isto é, à disciplina e precisão do gesto. “Para os antigos egípcios, a precisão era simbolizada por uma pena que servia de peso na balança onde as almas são pesadas. Aquela pena leve tinha o nome Maat, deusa de Libra. O hieróglifo de Maat também indicava a unidade de comprimento, os 33 centímetros do tijolo da unidade, e também o tom fundamental da flauta."




Dadas as características topográficas da área, é a seção que determina a resolução do projeto, dois volumes com a mesma forma arquitetônica dispostos em uma paisagem muito plana, elevada um metro acima do nível do mar. Ao entrar, essa distinção é completamente invertida: o fundo, o acompanhamento, a paisagem se tornam a figura, o oceano. Para enfatizar a ausência de hierarquia entre os dois lados, o idioma em que o plano da casa é expresso é a exatidão da simetria.




Dois eixos principais são definidos no projeto, o primeiro cortando perpendicularmente o oceano e conectando todas as áreas comuns que definem a sequência da casa e o segundo paralelo às águas oceânicas que exploram seus recursos naturais para ventilação, tanto a vácuo quanto como um filtro. Quatro portas de tamanhos diferentes são introduzidas em cada área comum. Na chegada, encontramos a menor como uma entrada para a casa. Dois idênticos abrem para o pátio interno, onde de um lado há uma mesa de madeira de 7 metros e, por outro lado, uma porta idêntica nos acolhe na sala principal com apenas uma peça de mobiliário: um sofá de frente para o oceano. Uma porta de 3x3m nos permite entrar no deck de madeira, são 80 metros quadrados de mirante na praia.





Em torno desse sistema, quatro quartos idênticos se desenvolvem, independentemente da sequência da casa. Nesses quartos, a relação visual entre o interior e o exterior é filtrada por uma parede de ripas horizontais de madeira que produzem uma espécie de desbotamento na vibração do vento e da luz, que mantém contato com o elemento natural. A atmosfera obtida é mais íntima, como escreve Jullien "a intimidade é a experiência limítrofe que faz a fronteira cair (...) entre fora e dentro, dentro de um interior compartilhado".2 Aqui também, a simplicidade da forma e das cores: o branco das paredes, a madeira natural das persianas e o concreto cinza do piso são uma qualidade alcançada por um caminho e um projeto que não é simples, que pelo contrário exige maturidade, sabedoria e coragem. A capacidade de remover, podar para chegar ao essencial. Simplicidade é clareza. Clareza é elegância, substância, honestidade e, portanto, beleza moral."







3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo